A Grande Loja Simbólica Espanhola manifestou esta sexta-feira a sua solidariedade e apoio às obediências maçónicas portuguesas contra o projeto de lei do PSD que obriga deputados e titulares de cargos públicos a declarar se pertencem a organizações “discretas”.

Em comunicado, a Grande Loja Simbólica de Portugal adianta que a sua congénere espanhola “manifesta a sua solidariedade e apoio às Obediências Maçónicas portuguesas, nomeadamente à Grande Loja Simbólica de Portugal, Grande Loja Simbólica da Lusitânia e do Grande Oriente Lusitana, contra o projeto de lei que torna obrigatório que todos os deputados e titulares de cargos públicos declarem se pertencem a associações e organizações discretas”.

Na carta, datada de 22 de março, os maçons espanhóis consideram que se trata de “um enorme retrocesso em matéria de direitos e liberdades” num país que consideram irmão, classificando-o como “um flagrante exercício de discriminação”.

Esperamos de coração que a dita iniciativa não prospere, uma vez que, para além de ser uma grave quebra da esfera privada, é mais uma evidência do clima de perseguição e intolerância que atravessa o mundo”, pode ler-se na carta.